Febre amarela: dose fracionada não terá certificado para viagem
12/01/2018
Os brasileiros que têm viagem marcada para países que exigem certificado internacional de vacinação contra a febre amarela e ainda não se imunizaram só receberão o documento se tomarem a dose padrão (de 0,5 ml).

A decisão consta de um comunicado da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), órgão responsável por emitir o documento no país. Desde julho de 2017, o país passou a exigir o comprovante da vacina para fornecer o certificado. 

"Não será emitido CIVP [Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia], em hipótese alguma, para quem apresentar comprovante de vacinação com etiqueta referente a dose fracionada", disse a Anvisa em nota.

A partir do dia 3 de fevereiro, a dose fracionada (0,1 ml) será fornecida de forma emergencial às populações dos Estados de São Paulo, Bahia e Rio. Quem tomar o tipo reduzido da vacina não poderá solicitar o certificado.

Segundo a Anvisa, a dose padrão é exigida internacionalmente por meio de convenções entre os países. Quem precisar viajar e estiver nos Estados onde a imunização fracionada será aplicada deverá apresentar comprovantes da viagem (passagens aéreas ou reservas de viagens) para conseguir a dose padrão.

Os viajantes que estão no grupo da população onde a vacina fracionada não é indicada, como crianças entre nove meses e dois anos, pessoas com HIV/Aids, em tratamento quimioterápico, pacientes com doenças hematológicas e gestantes, entre outros, poderão solicitar a dose padrão nas unidades de saúde.

A vacina contra a febre amarela precisa ser tomada até dez dias antes da viagem para atingir a proteção esperada. O descumprimento do prazo de proteção pode impedir a entrada do viajante em outros países.

Dose fracionada 

São Paulo, Bahia e Rio entraram no alvo de uma campanha emergencial de vacinação do Ministério da Saúde para conter o avanço da febre amarela em áreas que até então não tinham recomendação para imunização contra a doença. Nos três Estados, a meta será a de alcançar 19,7 milhões de pessoas.

Para isso, a ideia é utilizar doses fracionadas da vacina, feitas com 1/5 da do tipo padrão. Segundo o secretário paulista de Saúde, David Uip, a imunização começará pelas áreas com maior risco de transmissão do vírus e, posteriormente, se estenderão às demais áreas da capital – mas só numa segunda fase. "A Sé e a Paulista, por exemplo, são as que têm menos risco, devem ser as últimas". Atualmente, a cobertura vacinal nas áreas de recomendação de imunização do Estado é de 85%. 

Na capital paulista, a imunização fracionada será disponibilizada em 15 distritos. São eles: Capão Redondo, Cidade Dutra, Cidade Líder, Cidade Tiradentes, Grajaú, Guaianases, Iguatemi, Jardim São Luís, José Bonifácio, Parque do Carmo, Pedreira, São Mateus, São Rafael, Socorro e Vila Andrade.

A campanha de vacinação começará no dia 3 de fevereiro e seguirá até o dia 24. Em todo o Estado de São Paulo, a campanha será realizada em 53 cidades. Em 40 delas, a dose será ofertada para toda a população, devido à alta concentração de mata. Nos 13 municípios restantes, a vacina será dada aos moradores de locais mais vulneráveis.

A meta é vacinar 6,3 milhões de pessoas no Estado.

Ao lançar a campanha, a secretaria de Saúde também apelou a doadores de sangue para aumentar os estoques em São Paulo. Os bancos de sangue estão, atualmente, com 40% do estoque esperado. Quem tomou a vacina da febre amarela deve esperar quatro semanas antes de doar.
Fonte: Valor




Obrigado por comentar!
Erro!