OMS amplia pedido para conter oferta de doses de reforço contra a covid-19 até o fim de 2021
09/09/2021

O chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS) está pedindo aos países ricos com grandes suprimentos de vacinas contra o coronavírus que se abstenham de oferecer vacinas de reforço até o final do ano, ampliando um pedido anterior que em grande parte não foi ouvido. 

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, também disse nesta quarta-feira (08) que ficou "chocado" com os comentários de uma importante associação de fabricantes de produtos farmacêuticos no dia anterior, que disse que os suprimentos de vacinas são altos o suficiente para permitir tanto doses de reforço quanto vacinas em países com extrema necessidade de vacinas mas enfrentando escassez. 

Tedros já havia pedido uma “moratória” nas doses de reforço até o final de setembro. Mas os países ricos - incluindo Israel, Grã-Bretanha, Dinamarca, França, Alemanha, Espanha e os Estados Unidos - começaram ou estão considerando planos para oferecer vacinas de reforço para seus povos vulneráveis, como idosos ou pessoas com imunidade comprometida. 

O chefe da OMS disse ter recebido uma mensagem de “claro apoio” dos ministros da saúde em uma reunião do influente G20 neste mês pelo compromisso de ajudar a atingir a meta da OMS de que todos os países vacinem pelo menos 40% de sua população até o ano fim. 

“Há um mês, pedi uma moratória global sobre as doses de reforço, pelo menos até o final de setembro, para priorizar a vacinação das pessoas em maior risco ao redor do mundo que ainda não receberam sua primeira dose”, disse Tedros. “Houve pouca mudança na situação global desde então.” 

 

“Então, hoje, estou pedindo uma extensão da moratória até pelo menos o final do ano para permitir que todos os países vacinem pelo menos 40% de sua população”, disse ele. 

A OMS afirma que 5,5 bilhões de vacinas contra o coronavírus foram administradas até agora, mas 80% delas foram para países de renda alta e média. Os países ricos também se ofereceram para doar 1 bilhão de doses de vacina para outros países, mas menos de 15% dessas doses "se materializaram", disse Tedros, observando que os fabricantes se comprometeram a priorizar um programa apoiado pela ONU para fornecer vacinas às pessoas mais necessitadas em o mundo. 

“Não queremos mais promessas. Queremos apenas as vacinas ”, disse o chefe da OMS. 

 

Fonte: Valor




Obrigado por comentar!
Erro!
Contato
+55 11 3044 4440
+55 11 3045 5173
Av. Rouxinol, 84, cj. 92
Indianópolis - São Paulo/SP