Faturamento de distribuidoras de medicamentos cresce 9% em 2017
20/02/2018
As distribuidoras de medicamentos tiveram alta de 9% nas vendas em 2017, na comparação com o registrado em 2016, segundo a Abradilan (associação do setor) e a consultoria Iqvia.

No volume de unidades comercializado, o aumento foi de 5,2% no mesmo período.

O levantamento considera a venda de medicamentos e de produtos de higiene e beleza.

"O crescimento ocorre tanto com remédios, que, por serem produtos essenciais, mantiveram o crescimento durante a crise, quanto com higiene e cosméticos", diz Cristina Amorim, diretora da entidade.

Os dados não incluem o resultado de grandes varejistas, que em geral possuem logística própria de distribuição.

As distribuidoras atendem farmácias independentes e também são responsáveis por parte da logística das redes fora dos grandes centros.

A previsão do segmento é ter uma expansão próxima dos dois dígitos neste ano.

A Orgafarma, que faz distribuição de cerca de 4 milhões de unidades por mês em Minas Gerais e na Bahia, cresceu 24% em receita em 2017.

"Vamos dobrar o tamanho de um de nossos centros logísticos em 2018 para suprir a demanda", diz Vinícius Andrade, diretor-executivo.

O Grupo Machado, que opera em Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Bahia e Rio Grande do Norte, vai ampliar sua rede de distribuição.

"Vamos expandir nosso galpão em Porto Alegre neste ano", diz Aclair Machado, presidente do grupo, que atende 1.200 cidades.

Compro e vendo usados

O aporte para chegar a Moscou foi de US$ 3 milhões (R$ 9,71 milhões). A maior parte do montante foi levantada junto a investidores.

A companhia, que também está na Argentina desde 2016, deverá abrir escritório na Colômbia ou no Peru ainda em 2018. Para isso, planeja investir R$ 16 milhões.

A empresa recebeu aporte de cerca de R$ 50 milhões de investidores em 2017.

Exportação química

As exportações de produtos químicos de uso industrial de empresas do Estado de São Paulo cresceram 18,5% em 2017, segundo o Sinproquim (do setor). Foram US$ 4 bilhões (R$ 13 bilhões) no período.

Após quedas sucessivas em 2015 e 2016, o resultado positivo do último ano representou um retorno aos patamares alcançados em 2014.

O aumento foi alavancado pela demanda de fertilizantes e de preparações químicas utilizadas na produção industrial de modo geral, afirma Renato Endres, assessor econômico do sindicato.

Os renováveis ganharam espaço no exterior. Entre os cinco itens mais exportados, três pertencem à categoria de óleos essenciais, produtos de perfumaria e preparações cosméticas.

O mercado externo valoriza esse tipo de produto e temos um potencial muito grande nessa área, diz Endres.

Para 2018, a projeção da entidade é que o crescimento continue no mesmo ritmo.

Grande irmão

O segmento de prestação de serviços de segurança eletrônica ficou estagnado em 2017, segundo a Abese (associação setorial).

Empresas responsáveis pela instalação de alarmes e câmeras de monitoramento, que representam quase 63% do setor, sofreram com o enxugamento de gastos dos clientes, diz Selma Miglori, presidente da entidade.

O mercado como um todo, que exclui serviços de escoltas e logística de valores, cresceu 6% no ano passado, abaixo da média histórica de 8%.

A melhora foi impulsionada pela indústria, que teve alta de 15%, diz Miglori.

O faturamento ficou em R$ 6,04 bilhões, de acordo com a Abese.

Energia da cana O RenovaBio, programa de incentivo ao etanol e biodiesel, deverá levar a uma produção adicional de 4.000 MW médios pelo processo de cogeração a partir de biomassa, segundo a Cogen (associação do setor).

Franquias A rede de padarias portuguesas B.Lem vai abrir unidades no Rio e no interior de São Paulo para dobrar de tamanho neste ano. São dez lojas em funcionamento hoje. Outras quatro serão inauguradas nos próximos meses.

Gênero O número de mulheres empregadas na indústria automotiva caiu 1,2% de 2013 a 2017, segundo a consultoria MHD, que pesquisou 460 montadoras e fabricantes de autopeças. Entre os homens, a redução foi de 20,4%.

Obras... O número de metros quadrados em construção no país caiu 15,5% em janeiro, em relação ao mesmo mês de 2017, segundo índice da Neoway, de análise de dados, e da consultoria Tendências.

...em falta É o menor nível desde 2009, quando começou a série histórica. A região em pior situação é a Norte, com queda de 35,7%. No Centro-Oeste, houve alta, de 12,8%.




Obrigado por comentar!
Erro!
Contato
+55 11 3044 4440
+55 11 3045 5173
Av. Rouxinol, 84, cj. 92
Indianópolis - São Paulo/SP