Dados médicos de 1,6 milhão de paulistanos serão usados em software de inteligência artificial
31/08/2018
Nem sempre um médico consegue decidir, sozinho, qual a melhor estratégia para tratar de um paciente. Casos complexos exigem revisitar episódios passados ou, frequentemente, consultar outros profissionais. A professora Agma Traina, do Instituto de Ciências Matemáticas e da Computação (ICMC) da USP de São Carlos, percebeu isso ainda na década de 1980, enquanto trabalhava com a equipe de médicos do hospital das Clínicas de Ribeirão Preto:

— Era frequente eles comentarem que os exames de um paciente difícil de tratar se pareciam muito com os de outro, tratado anos antes. E que eles não conseguiam identificar — diz Agma.

'A inteligência artificial não é realmente inteligente', diz o cientista de computação mais influente do mundo

Desde setembro do ano passado, ela lidera uma equipe de 25 pesquisadores que se lançou numa tarefa hercúlea — digitalizar e organizar os dados médicos de mais de 1,6 milhão de pacientes de 24 hospitais públicos do estado de São Paulo. Todas essas informações, que envolvem de dados cadastrais a resultados de tomografias, alimentará um software equipado com inteligência artificial (IA), que será capaz de fazer cruzamentos e comparar casos novos com antigos. Quando pronto, deve auxiliar médicos a fazer diagnósticos, ou a prever qual a melhor estratégia de tratamento.

— O objetivo do programa não é fazer o diagnóstico no lugar do médico, mas oferecer uma segunda opinião — explica a professora. — É como uma junta médica. Em lugar de outros profissionais, há um software.

Por ora, os pesquisadores preparam a máquina para lidar com um número limitado de doenças. São aquelas mais comuns nos hospitais parceiros, como câncer de pulmão, problemas de coluna e cardíacos. A ideia é que, com o histórico médico dessas pessoas, o computador aprenda a identificar padrões. A tarefa pode ajudar a prever a evolução das doenças e dizer se o médico está diante de um câncer agressivo, por exemplo.

Segundo Paulo Azevedo Marques, professor da Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto, esse tipo de predição pode melhorar o tratamento.

— O computador pode indicar que, para aquele caso específico, uma radioterapia vai funcionar melhor que uma quimioterapia. Trata-se de usar a inteligência artificial para tornar a medicina mais precisa— afirma ele, que é um dos coordenadores do projeto.

Espera-se que um protótipo do programa esteja pronto dentro de dois anos — e que, em cinco, comece a ser implementado no dia a dia dos consultórios. Para sair do papel, o projeto envolveu três instituições nacionais. Além da equipe que Agma lidera no ICMC e do grupo de Marques, em Ribeirão Preto, que trabalha com a análise de exames de imagem, há ainda uma junta do Instituto do Coração (Incor), em São Paulo.

Maior do gênero no país

O projeto brasileiro é o maior do gênero já levado a cabo no país. Ele segue uma tendência que se desenvolveu nos últimos anos, de aliar a IA à medicina. Os primeiros passos nessa direção começaram nos Estados Unidos, na década de 1980. Seu objetivo era ajudar médicos a examinar centenas de milhares de exames de imagem. Para isso, o computador “aprendia” a identificar padrões.

Equipados com um ramo da inteligência artificial que os cientistas chamam de “aprendizado de máquina”, os novos programas são capazes de inferir como será a evolução da doença. Versões incipientes dessas novas tecnologias foram usadas, por exemplo, nos EUA, durante a epidemia de ebola em 2014. E já se mostraram capazes de diagnosticar doenças como o câncer de pele, com precisão maior que qualquer humano. As novidades têm potencial para mudar como se pensa a medicina.

— Os consultórios geram muitos dados — diz o professor Alexandre Chiavegatto , da Faculdade de Saúde Pública da USP, que não participa do projeto. — Mesmo assim, a área se baseia muito em achismo.

Um dos projetos de Chiavegatto, em parceria com o Hospital do Coração de São Paulo, encarregou-se de prever o tempo de vida que resta a pacientes internados em UTIs. A predição pode ajudar a escolher entre prolongar a vida ou iniciar cuidados paliativos.

O desenvolvimento do setor cria algumas preocupações. Em 2014, hackers chineses sequestraram os dados de pacientes de 158 hospitais britânicos. E, em meados de 2017, a justiça inglesa teve de impedir um acordo entre hospitais e uma empresa de inteligência artificial da qual o Google é dono. Decidiu-se que os hospitais não esclareceram os pacientes sobre como seus dados seriam compartilhados com o aplicativo da companhia, criado para facilitar o diagnóstico de lesões de rim.
 
Fonte: O Globo




Obrigado por comentar!
Erro!
Contato
+55 11 3044 4440
+55 11 3045 5173
Av. Rouxinol, 84, cj. 92
Indianópolis - São Paulo/SP