Projeto de desfechos Anahp recebe representantes do ICHOM
17/12/2018

Além da experiência internacional apresentada, o encontro também compartilhou as ações implementadas no país

A Anahp recebeu representantes do ICHOM, programa internacional que mede desfechos para promover o cuidado de saúde baseada em valor (VBHC), por meio de uma mensuração padronizada de conjuntos de informações que constituem alguns standards sets, além de executivos convidados para apresentar os primeiros resultados obtidos do Projeto de Desfechos Anahp.

A iniciativa teve início em 2017 com oito hospitais participando do projeto piloto e, hoje, já são 12 os hospitais que implementaram o programa, tendo mais de 700 pacientes acompanhados e mais de 2300 contatos realizados.
No dia 11 de dezembro, os participantes convidados foram conhecer a estrutura e as equipes de duas destas instituições que desenvolvem o projeto dentro das organizações, o Hospital do Coração – HCor e o Hospital Sírio-Libanês, ambos na capital paulista.

 

Já no dia seguinte, 12 de dezembro, a diretora de Padronização e da América Latina do ICHOM, Alethse de la Torre, explicou mais detalhes sobre a metodologia do programa e como ela se aplica em outros países. “A proposta é termos o mínimo de parâmetros para depois fazer comparações. É preciso ter paciência, é um trabalho em equipe que tem um objetivo maravilho de melhorar a saúde de todos os pacientes.”

A executiva contou que o programa foi criado em 2012 com o objetivo de ajudar as organizações a fazer uma transição para se ter um novo modelo assistencial. Na opinião dela, “saúde baseada no valor não significa preço, nem custo. Significa valores para atingir de um jeito mais eficiente os resultados.”

O programa possui atualmente 27 standards sets de medições de resultados e atende 30 países, 600 organizações e 15 registros nacionais. Para Greice Toledo, líder de implementação de projetos do ICHOM, é importante que a implementação seja realizada com um grupo multidisciplinar, envolvendo não apenas o corpo clínico, mas também as áreas de tecnologia da informação, administração, entre outras.

 

No Brasil
Representantes do projeto piloto participaram do encontro para mostrar os primeiros resultados e contar as experiências. Sheila Martins, do Hospital Moinhos de Vento, relatou que o maior desafio para a medição dos resultados é o contato com os pacientes por telefone, já que muitos números estavam errados.

Sabrina Bernardez, do HCor, contou que a instituição inaugurou em fevereiro deste ano uma estrutura para atender a nova demanda, o Escritório de Valor do hospital, que hoje acompanha oito condições de saúde. “Nós já começamos a analisar alguns resultados e aspectos de coleta. No AVC, por exemplo, percebemos que havia uma pior pontuação na questão de dor no pós alta, então começamos a trabalhar para mudar esse aspecto com nosso grupo de dor”, revelou.

Segundo André Costa, do Hospital Mater Dei, a implementação do projeto ajudou a mudar o mindset dos colaborados para buscar cada vez mais desfechos. “É preciso forçar o corpo clínico e principais agentes a participar da inclusão dos pacientes. Todos precisam estar muito envolvidos e motivados a entender o que é valor, senão eles não vão entender o propósito em colher esses dados.”

 

Pela experiência do Luiz Fernando Cardoso, do Hospital Sírio-Libanês, existem diversas formas de fazer a captação das informações, seja utilizando ferramentas de TI ou até mesmo grupos em aplicativos de troca de mensagem. E concordou com Costa: “o engajamento do paciente tem que ser no primeiro momento, assim que você identificou que ele tem critérios para participar. É muito importante ele entender porque ele está participando.”

O Hospital Israelita Albert Einstein, de acordo Daisa Escobosa, começou acompanhando insuficiência cardíaca e hoje acompanha oito condições de saúde. “Nesses últimos seis meses nós avançamos bastante. É o primeiro passo de um grande desafio, sempre trazendo o paciente como centro de tudo”, afirmou.

No Hospital Alemão Oswaldo Cruz, a equipe existente passou por uma capacitação e tempo de aprimoramento para que, então, fossem contratados novos colaboradores para o programa. “Temos a intenção de implementar mais standards sets, mas ainda estamos analisando os dados de pacientes e do banco de dados para entender indicadores que podemos usar desse aprendizado para trabalhar”, finalizou Ana Paula Ménès, da instituição.

Fonte: Anahp




Obrigado por comentar!
Erro!
Contato
+55 11 3044 4440
+55 11 3045 5173
Av. Rouxinol, 84, cj. 92
Indianópolis - São Paulo/SP