Primeiro mês do ano é dedicado à prevenção e combate da Hanseníase
14/01/2019

O primeiro mês do ano é dedicado à prevenção, combate e conscientização da Hanseníase, uma doença infectocontagiosa que carrega consigo um preconceito histórico, desde os tempos bíblicos quando era conhecida como lepra e os pacientes eram isolados até a morte.

No entanto, o presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia de Mato Grosso do Sul (SBD/MS), Alexandre Moretti, explica que este preconceito é desnecessário, pois a transmissão depende do convívio íntimo e continuo com um paciente multibacilar, ou seja, que esteja em formas avançadas da doença, e que este esteja sem tratamento, além disso, a pessoa que recebe o bacilo precisa ter pré-disposição genética para desenvolver a doença.

“Interrompemos a transmissão do bacilo (Mycobacterium leprae) após 15 dias do ínicio do tratamento. Precisamos conscientizar a população de que buscar auxilio médico aos primeiros sintomas é sempre a melhor opção, pois evitamos que a doença se propague e proporcionamos uma cura sem que haja sequelas”.

Os principais sintomas da hanseniase são: surgimento de manchas despigmentadas (com pouca coloração) e que apresentam perda de sensibilidade: calor, frio, dor e tato, essas áreas podem apresentar sensação de formigamento, fisgadas e dormência. As lesões podem surgir em qualquer parte do corpo, porém é mais comum na face, nádegas, braços e pernas.

Conforme a evolução da doença as lesões tornam-se mais palpáveis e visíveis, pois se transformam em placas, nódulos, podendo ainda atingir nervos e causar dor e perda de força muscular, principalmente em membros inferiores, superiores e rosto. A falta do tratamento pode levar ainda a lesões irreversíveis, como: destruição óssea, lesões nervosas e úlceras.

O diagnóstico é feito por avaliação clínica, e se necessário seguido por exames dermato-neurológicos, biopsias com exames anatomopatológico e pesquisa do bacilo álcool ácido resistentes na linfa.

O tratamento recomendado pelo Ministério da Saúde é a poliquimioterapia, que tem duração em média de 6 meses a 1 ano, mas em casos mais avançados podem chegar a dois anos. Moretti explica também que interromper o tratamento pode ser bastante nocivo pois o bacilo torna-se resistente ao tratamento demandando um tratamento mais prolongado.

Fonte: Anahp




Obrigado por comentar!
Erro!
Contato
+55 11 3044 4440
+55 11 3045 5173
Av. Rouxinol, 84, cj. 92
Indianópolis - São Paulo/SP