Custeio de procedimentos médico-hospitalares. Você sabe a importância dele?
05/06/2019

O conceito de custos por procedimentos é provavelmente uma das formas mais importantes no processo de gestão de custos hospitalares, uma vez que retrata o custo do paciente. Por meio do custo do paciente é possível alcançar os seguintes níveis de apuração de custos: custo por procedimento hospitalar, custo por especialidade médica, custo por contrato (convênio médico), custo por médico, custo por DRG (Diagnosis Related Groups), entre outras possibilidades.

O custo final dos serviços (expressos sob a forma de uma conta hospitalar) compreende uma combinação do custo de produção dos serviços e a correspondente quantidade utilizada na consecução dos tratamentos.  O processo de produção de um procedimento médico-hospitalar corresponde a composição de diferentes insumos no tratamento dos pacientes, integrando os custos sob diferentes origens departamentais (centros de custos) do hospital. Todos os pacientes utilizam-se de um fluxo de produção ao longo das atividades operacionais (unidade de internação, centro cirúrgico, terapia intensiva, serviços diagnósticos, dentre outros), incorrendo em custos em cada um destes serviços.

A relevância desta forma de apuração de custos é inquestionável em razão da possibilidade de avaliação de resultados operacionais. À medida que se estabelece o custo dos procedimentos, deve-se buscar a avaliação da eficiência na utilização dos recursos através da utilização de indicadores de conduta médica, estabelecidos pelas equipes, pertinentes a cada caso, e que expressem o perfil de desempenho desejados e os níveis de qualidade adequados.

Segundo esta orientação, uma das conceituações de contabilidade de custos mais apropriadas à avaliação do desempenho dos procedimentos, denomina-se custo padrão (standard cost). A elaboração do custo padrão compreende a definição da quantidade (nº de diárias, nº de exames, nº de horas de utilização de salas cirúrgicas, materiais e medicamentos utilizados, etc.) e o correspondente valor (custo unitário das diárias, exames, horas de utilização de salas cirúrgicas, materiais e medicamentos, etc.).

A análise de variações oferece a possibilidade de identificação, caso as diferenças entre o custo padrão e o custo real (efetivamente incorrido) foram geradas pela quantidade ou pelos custos, o que localizará os níveis de eficácia das diferentes responsabilidades internas envolvidas na atividade de prestação dos serviços médico-hospitalares.

Sobre o autor

Marcelo Carnielo é diretor técnico da Planisa – empresa líder em soluções para as organizações de saúde que buscam a excelência em gestão de resultados, se volta a proporcionar soluções para as empresas de saúde que buscam a excelência em gestão. Desde 1988, vem conquistando expressivo sucesso e se destacando como a referência em consultoria especializada para o segmento da saúde. O objetivo da empresa é promover a melhoria contínua da produtividade para as organizações como hospitais, clínicas, serviços de diagnósticos e operadoras de planos de saúde, em todo o Brasil e no exterior.





Obrigado por comentar!
Erro!