A Inteligência Artificial na Saúde: oportunidades, desafios e soluções
25/07/2019

Assim como ocorreu com a eletricidade, há mais de 100 anos, as novas tecnologias relacionadas à Inteligência Artificial (IA) transformarão todas as indústrias. O setor de saúde, em particular, está prestes a passar por uma grande revolução. A IA traz como promessa transformar o aumento da disponibilidade de dados de saúde e o progresso das técnicas analíticas em novas formas de prevenção, tratamento e de acompanhamento das condições do paciente. Os modelos de gestão e remuneração também serão profundamente transformados.

A inteligência artificial reduz o esforço humano em tarefas administrativas e analíticas, permitindo a médicos e hospitais se concentrar em áreas que realmente requerem intervenção humana. Na verdade, soluções de IA já economizam milhões de dólares para os hospitais todos os anos.

Até 2025, 90% dos hospitais dos EUA usarão inteligência artificial para salvar vidas e melhorar sua qualidade de atendimento. Na verdade, metade dos executivos de hospitais americanos está investindo em novas soluções de inteligência artificial. A Accenture prevê que o mercado de IA na assistência médica valerá US $ 6,6 bilhões até 2021. No Brasil, um estudo do Banco Mundial mostra que o uso da inteligência artificial aplicado à análise do prontuário eletrônico poderia gerar uma economia de R$ 22 bilhões ao evitar repetições desnecessárias de exames e tratamentos.

Embora existam muitos casos de sucesso na área da saúde há vários desafios a serem transpostos. Neste momento, apenas começamos a ver o potencial impacto desta tecnologia. Para que seja empregada em seu mais alto nível será necessário que pessoas, processos e tecnologia trabalhem em harmonia.

Infelizmente, comparado a outros países, o Brasil está atrasado no entendimento e no emprego da Informática em Saúde de uma maneira geral. Muitos gestores desejam incorporar IA, mas não sabem a melhor forma de fazê-lo. Na verdade, tanto no âmbito privado como público, o problema central não é a escassez de tecnologia, mas a falta de planejamento, governança e métodos de financiamento.

Mas então, por onde começar? Não importa aonde você está, e sim aonde quer chegar. A revolução digital não esperará que recuperemos o atraso em relação ao mundo. Independente da maturidade de seu uso da tecnologia, você terá de agregar a operação da TI, inovação e estratégias de incorporação de novas tecnologias.

Mapeie seus problemas e priorize as demandas. O emprego da inteligência artificial implicará em novos custos. Comece pequeno. Sua estratégia digital precisará de um método claramente definido para medir o ROI. Estabeleça qual o mínimo produto viável com o maior valor agregado. A inteligência artificial pode gerar valor automatizando tarefas humanas repetitivas e identificando tendências para a tomada de decisão. Muitas instituições de saúde começam por sua área financeira.

Crie um ciclo virtuoso para impulsionar investimentos. Projetos menores de sucesso apoiando a melhoria de seus dados, a expansão de sua compreensão de IA e iniciativas cada vez maiores e mais transformadoras.

Aprimore sua estratégia e curadoria de dados. Não há sentido em aplicar aprendizado de máquina em dados que você não confia. Identifique os projetos que podem aproveitar seus dados existentes.

Conhecimento especializado é o ativo estratégico que fará diferença. Busque profissionais e instituições que compreendam a Inteligência Artificial no contexto da saúde. Um bom começo: a Sociedade Brasileira de Informática em Saúde.

Persiga sempre o equilíbrio entre a tecnologia e o toque humano. A principal ideia por trás do emprego destas tecnologias não é a substituição do profissional de saúde por máquinas, mas ampliar o pensamento humano, a tomada de decisão e a criatividade. Trazer para o ambiente clínico a capacidade de gerenciar enormes quantidades de dados, melhorando o fluxo de trabalho em prol de uma medicina mais humana, segura e eficaz.

Mantenha o paciente no centro de seus esforços. Cerca de 90% das informações importantes para a determinação da saúde do paciente não estão no prontuário eletrônico, mas sim nos seus hábitos cotidianos. Conquistar seu engajamento e transformar estas informações em dados úteis e combinados a IA é o que vai revolucionar a saúde. Auxiliar o paciente a monitorar sua própria saúde e ao mesmo tempo aprimorar sua experiência de cuidado pode ser a oportunidade que você buscava para usar inteligência artificial.

Em conclusão, a disrupção da saúde pela IA é iminente. Para ser bem-sucedido foque suas iniciativas no “quadruple aim”: melhores resultados, menor custo, aperfeiçoamento da experiência do profissional e aprimoramento da experiência do paciente.

Sobre o autor

Francisco Neri é Chief Medical Informatics Officer, Obstetra e Ginecologista do Grupo Santa Joana. Especialista em Health Informatics pela Unifesp, Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Sírio Libanês e pela Sociedade Brasileira de Informática em Saúde, possui experiência na implementação e estudo de tecnologias voltadas para a saúde desde 2010.





Obrigado por comentar!
Erro!
Contato
+55 11 3044 4440
+55 11 3045 5173
Av. Rouxinol, 84, cj. 92
Indianópolis - São Paulo/SP