Fernando Iunes, ex-Itaú BBA, é novo sócio da EB Capital
03/10/2019
A EB Capital, gestora de private equity, tem novo sócio: é Fernando Iunes, que trabalhou durante mais de 20 anos no banco Itaú BBA. É o segundo movimento societário feito pela companhia de participações em cinco meses. Em abril, Pedro Parente entrou na empresa, juntando-se aos irmãos Eduardo e Pedro Sirotsky Melzer e a Luciana Ribeiro, que fundaram a EB Capital em 2017. As participações não são reveladas.
 
“Estamos vendo uma enorme oportunidade de mercado. Temos projetos grandes na carteira e isso demanda profissionais com experiência”, diz Eduardo Sirotsky Melzer, que comanda a EB Capital. A empresa administra R$ 700 milhões em investimentos, por meio de dois fundos. O terceiro está em processo de captação, diz Melzer. Os recursos vêm dos sócios e de investidores brasileiros e do exterior, incluindo “family offices” - empresas que administram fortunas familiares.
 
Até agora, a EB Capital investiu em uma dezena de empresas. Os investimentos concentram-se nos setores de tecnologia, telecomunicações e distribuição. Entre as companhias que receberam aportes estão a Sumicity, de banda larga; a Wine, de comércio eletrônico de vinho; e a BR Supply, de suprimentos para empresas.
 
Engenheiro com mestrado e doutorado pela Universidade de Londres, Iunes foi sócio, diretor executivo e chefe da área de banco de investimento do Itaú BBA, do qual saiu em 2016. Atualmente é membro dos conselhos de administração da Gerdau S.A., da Metalúrgica Gerdau e da M. Dias Branco, de alimentos.

“Em conversas com os sócios da EB Capital percebi que havia uma identidade de valores e princípios”, diz Iunes. “Faz muito sentido construir uma plataforma relevante de private equity no Brasil.”
 
No Itaú BBA, Iunes coordenou mais de cem processos entre ofertas públicas iniciais de ações, ou IPOs, e ofertas subsequentes. Também participou de operações de fusão e aquisição e reorganizações societárias. No Brasil, diz o banqueiro, a taxa de juro em declínio tem estimulado a busca de ativos pelos investidores, o que reforça a atividade de private equity.
 
 
Fonte: Valor




Obrigado por comentar!
Erro!