Hospitais e organizações de saúde da América Latina usam tecnologias para apoiar a tomada de decisões clínicas
23/10/2019
O câncer é uma questão importante de saúde na América Latina. Segundo a Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (AIPC), vinculada à Organização Mundial da Saúde (OMS), a cada dois minutos, cinco pessoas são diagnosticadas com câncer na América Latina. A região possui 1,4 milhão de novos casos por ano e a doença continua aumentando.
A Argentina, por exemplo, tem uma taxa de incidência de 217 casos por 100.000 habitantes, sendo o câncer de mama o maior em termos de ocorrência: mais de 19.000 casos por ano, representando 17% de todos os tumores malignos e quase um terço dos cânceres femininos, segundo INC (Instituto Nacional do Câncer). O Brasil ocupa a segunda maior incidência de câncer de mama dentre todos os países, com 62,9 casos por 100 mil habitantes, segundo o Instituto Nacional do Câncer (INC).

O câncer de mama é o segundo tipo que mais afeta as mulheres no Brasil, representando cerca de 25% de todos os cânceres que afetam as mulheres. No México, o câncer de mama é o câncer mais frequente, excluindo o câncer de pele não melanoma, para ambos os sexos, e o primeiro na classificação de novos casos, de acordo com o Global Cancer Observatory.

Estas são algumas das várias instituições na América Latina que estão usando a tecnologia IBM para apoiar a tomada de decisões clínicas:

Fleury (Brasil) – O Fleury oferece à população o Oncofoco, o primeiro exame disponível na América Latina que usa inteligência artificial na elaboração de um laudo detalhado e personalizado para pacientes com câncer. Após sequenciamento do DNA, as informações são analisadas pela plataforma de bioinformática do laboratório. Watson recebe esses resultados e gera um relatório com possíveis medicamentos, terapias e estudos clínicos disponíveis e indicados para o caso. Um laudo final é elaborado por médicos e equipe técnica para ser enviado ao paciente. Esta análise permite um melhor diagnóstico de precisão atrelado à melhor terapia disponível para pacientes com câncer (casos complexos ou que não respondem aos tratamentos tradicionais).

KAENZ (Chile) – Pensando em pacientes com câncer que estão sendo tratados com quimioterapia e também em gestantes, pessoas com obesidade, mobilidade reduzida e problemas neurológicos, três cinesiologistas chilenos criaram uma terapia de exercício aquático de baixo impacto chamada KAENZ. É um kit composto por uma boia que cabe na cintura e permite que a pessoa caia verticalmente na piscina, um par de pesos, fones à prova d’água e lentes de realidade virtual que também podem ser submersas; e um revestimento que também permite que você coloque o smartphone na água. Com essas lentes de realidade mista, que são lentes aumentadas e virtuais, é possível acessar um terapeuta virtual que lhe dirá quais exercícios a fazer, de acordo com sua condição. Graças à tecnologia IBM Watson, o aplicativo que transmite os incentivos dos exercícios obtém o registro médico do paciente, identifica a doença ou condição física e prepara o trabalho e a intensidade específicos. É possível saber quando subir, diminuir a velocidade ou interromper a carga de trabalho.

1Doc3 (Mexico) – A startup criou esse aplicativo de orientação virtual de saúde, 1Doc3, com Watson, em rodando na IBM Cloud, para responder às várias pesquisas sobre saúde que as pessoas fazem todos os dias na internet. O desafio do 1DOC3 é fornecer melhores conselhos gratuitos de médicos verificados a essas consultas anônimas e tornar a coleta de todo esse conhecimento útil ao ecossistema de saúde para fins de prevenção.


DOers (Argentina) – A DOers criou o assistente cognitivo virtual Diana, que trabalha como treinador de saúde para pacientes com diabetes e apoia os médicos no monitoramento e personalização de seus pacientes. O aplicativo móvel está hospedado na nuvem IBM e usa os recursos de inteligência artificial do IBM Watson para interagir usando linguagem natural e ajudar as pessoas com diabetes em seu tratamento.




Obrigado por comentar!
Erro!